Logotipo Sincovaga


EMPREGO E RENDA IMPULSIONAM ALTA DISSEMINADA DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL.  06/12/2017

Indústria registrou expansão de 5,3% em outubro ante igual mês de 2016, sendo 22 de 26 ramos com desempenho positivo, sexto avanço consecutivo e o melhor resultado desde abril de 2013.

São Paulo - Mesmo longe de retomar patamares anteriores à crise, a produção industrial começa a mostrar sinais mais claros de disseminação do crescimento, puxada pelo incremento do emprego - mesmo que informal-, que está alimentando a massa de rendimentos.

Junto com o segmento de bens duráveis, que tem na produção de automóveis, móveis, televisores e celulares alguns dos principais itens que puxam a expansão deste ano, as categorias de semi-duráveis (itens como camisetas e vestidos) e não duráveis (cervejas e refrigerantes) começaram a ganhar destaque nos últimos resultados, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Estamos olhando para uma recuperação que traz uma perspectiva um pouco mais otimista. Mesmo com a baixa base de comparação, no ano passado não conseguimos crescer nada", destaca o economista associado da consultoria Pezco, João Ricardo Costa Filho.

Segundo ele, caso não ocorra alguma surpresa negativa, como a não aprovação da reforma da previdência, que poderia trazer eventuais consequências sobre o dólar e os juros, a tendência é a continuidade da recuperação da produção industrial, mesmo que lenta. Para ele, a maior preocupação está na categoria de bens de capital. "Quando começar essa reação, poderemos ter uma retomada mais consistente da produção, com investimento. Isso, de certa forma, já estamos observando nos resultados do PIB", diz, reforçando que a expansão ainda não atinge a ampliação e a modernização fabris.

Emprego

A recuperação do emprego, mesmo informal, é um dos fatores que puxam a demanda e consequentemente a produção. Isso se observa, sobretudo, em bens duráveis. Por terem custos mais altos, as vendas na ponta - ao consumidor - precisam ocorrer por meio de financiamento, de médio e longo prazo. Diante da melhora das expectativas para o mercado de trabalho, há uma maior fatia do orçamento das famílias destinada às prestações para aquisição destes bens. Segundo o IBGE, a massa de rendimento real de todos os trabalhos, medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, cresceu 4,2% no trimestre encerrado em outubro deste ano, frente a igual intervalo do ano passado.

"A geração de postos de trabalho, mesmo sendo na informalidade, gera um incremento maior dos rendimentos", ressalta o gerente da PIM do IBGE, André Macedo, acrescentando que o ambiente de inflação sob controle e juros menores melhoram a confiança do empresário e do consumidor. Ele observa ainda um maior ajuste nos estoques das empresas, o que justifica um patamar mais amplo de ramos com desempenho positivo.

Em outubro ante igual mês do ano passado, na série sem ajuste sazonal, a produção industrial cresceu 5,3%, no maior ritmo de expansão desde de abril de 2013, quando a alta foi de 9,8%. Dos 26 ramos pesquisados, 22 estão

positivos. Como comparação, destaca Macedo, desempenho parecido ocorreu exatamente em abril de 2013, quando eram 23 ramos positivos, dentre 26.

Ele reforça que a base de comparação ainda é baixa, porém, este ano já são oito de dez meses com incremento sobre o mês imediatamente anterior. Frente a setembro de 2017, com ajuste sazonal, o aumento da produção foi de 0,2%.

Fim de ano

Diante da maior confiança e renda, Macedo observa um incremento da demanda por bebidas, com alta de 8,3% da produção em outubro ante igual mês de 2016. "As empresas estão mais otimistas com o aumento do consumo no final de ano, elevando a produção", pontua, acrescentando ainda a produção de vestuário e acessórios, que avançou 11,8%.

Ele justifica que os semi-duráveis estão com um ritmo de crescimento maior, sobretudo pelo consumo represado dos últimos anos. Neste caso, entram produtos de malharia, como vestidos e camisetas.

Mas há um incremento também em calçados, porém, com uma produção mais voltada às exportações. "Em dezembro do ano passado, vínhamos de 33 meses consecutivos de queda, agora há um comportamento bem mais disseminado e positivo das atividades industriais", completa.

Rodrigo Petry. DCI.

Página Anterior | Página Inicial
Qualicorp
Certificado Digital
Convenções Coletivas
Comunicados
Notícias
Contato