18 de abril, 2024

Notícias

Home » Contábil » Câmara pode votar reforma tributária e MP que eleva arrecadação do governo nesta sexta

Câmara pode votar reforma tributária e MP que eleva arrecadação do governo nesta sexta

A Câmara dos Deputados pode votar nesta sexta-feira (15) dois projetos considerados fundamentais pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para o esforço de equilibrar as contas públicas nos próximos anos: a reforma tributária e a medida provisória que corrige o impacto de descontos de ICMS na arrecadação federal.

A votação de projetos no plenário da Câmara em uma sexta-feira é atípica – em geral, os deputados já até retornaram para suas bases eleitorais a essa altura da semana. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), liberou a participação remota dos parlamentares para garantir número suficiente de votos.

A reforma tributária tramita na forma de uma proposta de Emenda à Constituição (PEC), por exemplo – e, pra ser aprovada, requer pelo menos 308 votos “sim”.

  • Líderes partidários passaram a quinta (14) em negociação para tentar destravar pontos das duas propostas. Arthur Lira também se encontrou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tentar harmonizar os interesses de deputados e senadores na versão final da reforma tributária.

O acordo avançou ao longo do dia mas, já quase na madrugada, Lira anunciou que reabriria os trabalhos na manhã desta sexta.

“Vamos abrir o painel a partir de 7h, o dia de amanhã [sexta-feira] será virtual. A MP 1185, para dar oportunidade para todos, será o primeiro item da pauta amanhã. Na sequência, reforma tributária com os ajustes que eu indicarei a cada liderança sobre as conversas que foram feitas com o Senado a respeito de alguns pontos para que a gente tenha um texto mais claro”, declarou Lira.

Entre os temas que geram discordância entre Câmara e Senado, estão exceções incluídas pelos senadores na reforma tributária, como a criação de um imposto adicional sobre bens produzidos em todo o país que disputem mercado com a produção da Zona Franca de Manaus e a prorrogação de incentivos fiscais para montadoras no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste.

Pacheco também defende que a Câmara mantenha a alíquota diferenciada de tributação para os chamados “profissionais liberais” – advogados, arquitetos e médicos, por exemplo. Os deputados negociavam acordo para excluir esse trecho da PEC.

Que projetos são esses?

  • Reforma tributária

A reforma tributária, se aprovada e promulgada, vai alterar a dinâmica de cobrança dos impostos sobre o consumo no país. O tema é discutido há cerca de 30 anos no Congresso e, até então, era tratado como um desafio insuperável.

A proposta introduz o Imposto sobre o Valor Agregado (IVA) no sistema tributário nacional. Segundo o texto, cinco impostos que existem hoje serão substituídos por dois IVAs:

▶️ Três tributos federais (PIS, Cofins e IPI) dão origem à Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), de competência federal;

▶️ ICMS (estadual) e do ISS (municipal) serão unificados no formato do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), com gestão compartilhada entre estados e municípios.

O texto também define temas como: o percentual que será cobrado como imposto sobre consumo, a tributação da cesta básica, os setores que terão direito a alíquotas diferenciadas (ou isenção total), o imposto adicional sobre atividades nocivas (“imposto do pecado”) e as vantagens para a produção na Zona Franca de Manaus.

  • MP da subvenção do ICMS

A MP 1.185 define regras para as empresas usarem benefícios fiscais já concedidos pelos estados e validados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na arrecadação de ICMS.

A concessão de benefícios de ICMS é prática comum dos governos estaduais e do Distrito Federal. Ao reduzir o imposto cobrado em determinado bem ou serviço, o estado tenta atrair as empresas daquele setor para se instalarem em seu território – o que eleva a arrecadação nos anos seguintes, mesmo com o “desconto”.

O problema, segundo o governo federal, é que esse benefício oferecido pelos governos locais tem impacto indireto na arrecadação federal.

O ICMS é um imposto estadual, mas o abatimento dele impacta a base de cálculo de impostos federais como o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o PIS-Cofins.

Na medida provisória, o governo federal diz que aceita validar essa redução dos impostos federais a partir do “desconto” do ICMS – mas só quando essa margem adicional das empresas for usada para investimentos.

Se as firmas usarem essa subvenção para custear suas atividades, não terão mais o direito de reduzir a base de cálculo dos impostos federais. Com isso, terão de pagar mais imposto à União.

O governo estima que essa arrecadação adicional – incluindo a cobrança retroativa de parte do abatimento indevido de anos anteriores – pode chegar a R$ 35 bilhões em 2024.

 

 

Fonte: G1 TV Globo

Link: https://g1.globo.com/politica/noticia/2023/12/15/camara-pode-votar-reforma-tributaria-e-mp-que-eleva-arrecadacao-do-governo-nesta-sexta.ghtml

Comentários


Deprecated: O arquivo Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/sinco580/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *