18 de abril, 2024

Notícias

Home » Se o eleito for fiel a suas propostas e não cometer estelionatos eleitorais, haverá esperança
Sem categoria

Se o eleito for fiel a suas propostas e não cometer estelionatos eleitorais, haverá esperança

A despeito de todos os problemas, o Brasil continua sendo um país viável

 

21.ago.2018

O país vive um momento difícil. A menos de 50 dias da eleição, é impossível fazer qualquer prognóstico sobre quem vai governar o Brasil nos próximos quatro anos.

Gostaria, porém, de lançar um olhar otimista a respeito das propostas que estão sendo postas na mesa, mesmo que tenha de me arrepender disso no futuro próximo, porque por enquanto os planos não são suficientemente detalhados.

É possível notar uma certa convergência dos candidatos mais bem cotados em relação a temas cruciais do momento.

Há, por exemplo, na direita, no centro e na esquerda, um claro consenso a respeito da necessidade de recolocar o país na rota do crescimento.

Presidenciáveis participam do segundo debate nas eleições 2018

Candidatos participam do debate na RedeTV! Paulo Whitaker/Reuters

Até os mais ortodoxos assessores econômicos de candidatos concordam que não será possível superar os problemas atuais sem a retomada imediata da geração de empregos para mais de 13 milhões de brasileiros.

Para isso, a revitalização da atividade produtiva, com investimento em infraestrutura e reindustrialização, é essencial.

Nessa linha, outro pensamento consensual diz respeito à necessidade de expandir o crédito e, muito importante, com juros civilizados. Não há um único candidato que tenha a coragem de contrariar essa proposta. E a concentração bancária está sendo colocada por quase todos como causa preponderante desse problema.

Por outro lado, até o mais excêntrico dos assessores concorda que será necessário fazer uma reforma tributária, não para aumentar a carga já elevada, mas principalmente para a simplificação dos impostos. Trata-se —e ninguém discorda disso— de substituir os cinco tributos incidentes sobre a venda de bens e serviços (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS) por um único.

Essa unificação, sempre pretendida, enfrenta uma dificuldade prática, pois, mesmo apoiando a medida, governadores e prefeitos temem ser prejudicados no momento da mudança. A solução, portanto, pode ser uma transição gradual do atual modelo para o novo.

Existe concordância geral também sobre a obrigatoriedade de reformar a Previdência. Apesar das divergências sobre o modelo dessa reforma, considera-se que o Estado não poderá arcar com os déficits previdenciários crescentes e que, além de cortar privilégios, o novo sistema precisa levar em conta a questão do envelhecimento da população.

educação é um tema preferido dos candidatos. O discurso genérico, felizmente, vem sendo substituído por propostas mais práticas sobre a ênfase no ensino básico, a valorização do professor e a formação técnica. O país já tem experiências positivas que podem ser replicadas, como a do Ceará.

Segurança é outro tema que une os principais candidatos. Há indignação com os mais de 60 mil assassinatos e 50 mil estupros por ano. Para enfrentar essa calamidade, propõe-se o combate efetivo ao crime organizado, com ações de inteligência, a modernização da sistema prisional e a atualização das políticas contra as drogas e para o controle de armas.

Se há pensamentos consensuais sobre esses importantes aspectos, é possível afirmar que nem tudo está perdido. Vamos para a eleição de outubro com a esperança de que o eleito tenha coragem e competência política para levar adiante esses programas.

A despeito de todos os problemas, o Brasil continua sendo um país viável. Num momento em que os emergentes voltam a ser pressionados por inflação e contas externas (vide Turquia e Argentina), nosso país tem situação confortável, com inflação de 4% ao ano e reservas de quase US$ 400 bilhões.

O que nos aflige são a recessão e o desemprego. Se o eleito for fiel a suas propostas e não cometer estelionatos eleitorais, haverá esperança.

Benjamin Steinbruch

Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, vice-presidente da Fiesp. É formado em administração pela FGV.

 

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/benjaminsteinbruch/2018/08/se-o-eleito-for-fiel-a-suas-propostas-e-nao-cometer-estelionatos-eleitorais-havera-esperanca.shtml

Comentários


Deprecated: O arquivo Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/sinco580/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *