21 de julho, 2024

Notícias

Home » Notícias Jurídicas » TRT-3 mantém justa causa de trabalhador que deu soco na cara do chefe

TRT-3 mantém justa causa de trabalhador que deu soco na cara do chefe

O TRT da 3ª região manteve a justa causa aplicada a um trabalhador que desferiu um soco no rosto do gerente-geral da empresa durante uma reunião de trabalho. O colegiado considerou as gravações de vídeo que comprovam a agressão.

O incidente ocorreu em um hotel na cidade de Teófilo Otoni/MG, onde a empresa de serviços de telefonia realizava uma reunião com seus funcionários. Em seu depoimento, o gerente-geral da empresa relatou que a agressão aconteceu durante um procedimento de rotina de contagem de estoque.

“Não era horário de intervalo, estávamos conversando e fazendo um procedimento de contagem de estoque, que é de praxe e é realizado com todos os funcionários que têm mercadoria e patrimônio da empresa. Conversei algumas coisas de desempenho com ele; a respeito de metas e de entregas; (.) não cheguei a dispensar o autor e não discutimos antes da agressão; (…) o vídeo mostra que o soco foi bem do nada. Não sei porque fui agredido”, declarou o gerente.

Mantida justa causa de trabalhador que deu um soco na cara do chefe durante reunião em Teófilo Otoni/MG.

O trabalhador, em sua defesa, alegou que a aplicação da justa causa não respeitou os requisitos legais e que a versão apresentada pela empresa não correspondia à realidade dos fatos. Argumentou ainda que a agressão foi um ato de legítima defesa em resposta à sonegação de informações relevantes por parte do empregador.

“As imagens mostram nitidamente que o reclamante, num súbito de surpresa, levanta e desfere um soco no outro. Isso não aconteceu do nada, até porque não havia nenhuma discussão. O vídeo tem cortes, alguns cortes e as imagens pulam de determinado minuto para outro. Aponta que o réu optou por esconder o grau de ofensa ao reclamante dizendo que o revide em forma de soco ocorreu do nada”, afirmou a defesa do trabalhador.

Ao analisar o recurso apresentado pelo trabalhador, o juiz do Trabalho convocado Márcio Toledo Gonçalves, relator do caso, decidiu em favor da empresa. O magistrado considerou que as imagens de vídeo anexadas ao processo comprovavam a agressão física do trabalhador ao gerente, ato considerado inaceitável no ambiente de trabalho.

Embora reconhecendo a edição do vídeo com cortes, o juiz argumentou que um golpe no rosto não pode ser considerado uma reação moderada a provocações verbais, mesmo que estas tivessem ocorrido.

O juiz ressaltou ainda que a alegação de legítima defesa não foi apresentada pelo trabalhador na ação inicial, surgindo apenas posteriormente. Além disso, o trabalhador, em sua petição inicial, negou a agressão, afirmando que a empresa o havia dispensado injustamente com base em uma acusação falsa.

No entanto, uma gravação em áudio anexada ao processo contradisse sua versão inicial, levando o juiz a concluir que a agressão realmente ocorreu.

“Trata-se, portanto, de prática suficiente para afastar a fidúcia que deve reger as relações empregatícias, razão pela qual tenho por correta a decisão que afastou a pretensão de reversão da dispensa por justa causa perpetrada pela empregadora”, concluiu o juiz, confirmando a legalidade da demissão por justa causa.

O Tribunal não divulgou o número do processo.

https://www.migalhas.com.br/quentes/410893/trt-3-mantem-justa-causa-de-trabalhador-que-deu-um-soco-em-chefe

 

Comentários