15 de julho, 2024

Notícias

Home » Economia » Copom adota postura conservadora ao apostar na redução de 0,25 p.p. da Selic

Copom adota postura conservadora ao apostar na redução de 0,25 p.p. da Selic

Considerando as condições inflacionárias do País e de mercado nas últimas semanas, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (Bacen), adotou postura conservadora ao frear o ritmo de cortes da taxa básica de juros do País, a Selic, reduzindo-a em apenas 0,25 ponto porcentual (p.p.). De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), ainda havia espaço para outra redução de 0,5 p.p., como vinha acontecendo desde julho de 2023.

 

Embora a política fiscal seja um fator de preocupação, o comitê poderia ter levado em conta que, em março, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desacelerou, variando 0,16% e ficando abaixo de 4% no acumulado de 12 meses. É claro que, por outro lado, o aumento de gastos do governo pode gerar um efeito pernicioso na economia, já que despejará bilhões de reais em uma conjuntura marcada pelo desemprego baixo (7,8%) e pelo crescimento da renda, cujo efeito se liga diretamente ao aquecimento da demanda.

 

A taxa de juros dos Estados Unidos também é um elemento relevante na decisão. O ciclo de cortes, esperado por analistas do mundo inteiro ainda neste primeiro semestre de 2024, não ocorreu, e a expectativa é que o FED (banco central norte-americano) só comece a baixar os juros no fim do ano ou, até mesmo, no início de 2025, pressionando economias como a brasileira. À medida que as taxas se aproximem (a nacional está, agora, em 10,50%, e a norte-americana, em 5,25%), a tendência é ocorrer uma “fuga” de dólares para os Estados Unidos, já que o país oferece menor risco. Esse processo deprecia o real e, por consequência, aumenta a inflação.

 

Ainda assim, o Copom errou ao não vislumbrar o espaço que permanece na economia para outro corte de 0,5 p.p. A FecomercioSP reconhece que as condições de mercado vêm se deteriorando, mas espera que se criem condições para que o ciclo de reduções da Selic permaneça nas próximas reuniões.

 

Comentários