13 de julho, 2024

Notícias

Home » Varejo » As incertezas para o varejo em 2024 estão se dissipando?

As incertezas para o varejo em 2024 estão se dissipando?

Foto: senivpetro - br.freepik.com

Após o primeiro trimestre de 2024, ainda não se consegue ter uma visão, com alguma possibilidade de acerto, de como se comportará o varejo neste ano.

Embora a última variação das receitas das vendas dos associados do IDV, medida pelo IAV (Índice Antecedente de Vendas), tenha sido positiva de fevereiro para março, o que suscita certo otimismo; ao olharmos a série histórica do IAV ajustada pelo IPCA, ou seja, descontados os efeitos da inflação, vemos que os resultados positivos dos últimos meses são inexpressivos, aquém do que o varejo e a economia necessitam.

Como utilizaremos os dados do IAV neste artigo, é oportuno esclarecer que ele produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento mensal das vendas do varejo e fornecem expectativas sobre o setor a partir das informações de receita reportadas pelas empresas associadas ao IDV.

A variável investigada é a receita de vendas dos meses passados reportada pelas empresas, bem como a receita de vendas estimada para os três meses seguintes. Neste artigo, vamos abordar o realizado até março e as previsões para abril, maio e junho.

Para trazer maior representatividade setorial, também apresentaremos o resultado ponderado, no qual é utilizado como peso a representatividade destes setores, de acordo com a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) ampliada, do IBGE.

Voltando ao que mencionamos anteriormente, a variação da receita nominal mensal (sem descontar a inflação) das vendas de fevereiro para março, em todos os setores, foi positiva, conforme abaixo:

Apesar do crescimento positivo acima na variação mensal, o que esperar de 2024?

Os dados apresentados por diversos analistas econômicos e estatísticas governamentais indicam que a expectativa de crescimento da economia brasileira em 2024 está em 1,9%, com maior impacto do consumo das famílias; tendência de juros menores com efeitos positivos sobre investimento, consumo e emprego; previsão de uma inflação de 3,71%; empregos com carteira assinada batendo recorde em fevereiro (37 milhões de trabalhadores); taxa de desemprego em queda de 7,8%; e aumento da massa salarial, favorecendo a economia brasileira neste início de ano.

Apesar de todos estes indicadores positivos, a intenção de consumo das famílias recuou 0,8% em março. Se compararmos o desempenho com o mesmo mês do ano passado, em valores nominais, sem desconto da inflação, alguns setores apresentaram dificuldades, como o de móveis e eletrodomésticos e materiais de construção, enquanto outros mantêm significativo crescimento, tal como o registrado nos setores de artigos farmacêuticos e atacado de produtos alimentares.

Para os próximos, as expectativas dos associados do IDV, registradas pelo IAV, é de crescimento nominal para todos os setores, com exceção de móveis e eletrodomésticos, que podem ser conferidas nos gráficos abaixo:

É necessário que os indicadores econômicos, na sua maioria, neste momento otimista, continuem a evoluir positivamente e criem um ambiente de negócios, com o aumento da confiança dos consumidores e dos empresários porque há muito o que recuperar no varejo, visto que, em 2023, passou por um período de forte retração, conforme observa-se abaixo na série histórica do IAV. Já o IAV Consolidado Ponderado cresceu 5,7% em relação a março de 2023.

Dada a forte competição típica do varejo, potencializada pela atuação das vendas online, a  retomada do crescimento das receitas de vendas no varejo, conforme sondagem efetuada, tem sido realizada com sacrifícios de preços e a redução das margens de contribuição.

Com esse crescimento, o IAV, ajustado pelo IPCA, ficou positivo em 1,7% em março: maior nível em 10 meses. As previsões para os próximos meses são positivas, de 0,5% para abril; 0,9% para maio/24; e 1,7% para junho.

Com os dados recentemente divulgados por analistas de economia e governo mais as previsões do IAV, a partir de seus associados, retornamos ao começo do texto.

As incertezas para o varejo em 2024 estão se dissipando? Aguardemos, o mercado trará a resposta.

Jorge Gonçalves Filho é presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV).
https://mercadoeconsumo.com.br/07/05/2024/artigos/as-incertezas-para-o-varejo-em-2024-estao-se-dissipando

 

Comentários