22 de julho, 2024

Notícias

Home » Política » Bolsonaro manda com base na internet e em palpites. O outro, Dr. Queiroga, obedece

Bolsonaro manda com base na internet e em palpites. O outro, Dr. Queiroga, obedece

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Eliane Cantanhêde*, O Estado de S.Paulo

Entre tantas crises e desgraças no nosso querido Brasil, só faltava o ministro da Saúde conclamar pais e mães a não vacinarem seus filhos adolescentes. Não falta mais. Ao se sujeitar a isso, o dr. Marcelo Queiroga manchou para sempre sua biografia, que ia tão bem até o casamento de conveniência e de submissão com o presidente Jair Bolsonaro, acusado de “charlatanismo e curandeirismo” pela CPI da Covid.

O general da ativa Eduardo Pazuello evaporou, mas sua máxima ficou: “um manda, o outro obedece”. Numa única entrevista, Queiroga produziu algo inédito num País onde a imunização é um sucesso histórico – um ministro da Saúde fazendo propaganda contra vacinas – e uma coleção de mentiras, meias verdades e absurdos. Citou indevidamente a OMS, a Anvisa, os especialistas do ministério, os pais e mães, os “eventos adversos”, os adolescentes vacinados e a morte de um deles. Um espanto!

Parece encomenda para desviar a atenção da Prevent Seniorsuspeita de aplicar o “kit Covid” (cloroquina, ivermectina etc) sem conhecimento de pacientes e anunciar que morreram mais pacientes entre os que não tomaram o kit do que entre os que tomaram. Ocorreu o oposto! Esconderam a realidade. Pior: as ligações com o “gabinete paralelo” do Planalto e a propaganda que Bolsonaro fez da pesquisa fake.

Um segundo objetivo também parece claro: já que Bolsonaro se viu obrigado a recuar dos ataques ao Supremo e a seus ministros, compensou recrudescendo contra os governadores, especialmente João Doria (SP). Mas o mais absurdo é Queiroga obedecer a tudo o que seu mestre mandar – e dane-se todo o resto.

A revelação é do próprio Bolsonaro: “Eu levo para ele (Queiroga) o meu sentimento, o que eu leio, o que eu vejo, o que chega ao meu conhecimento”. “Meu sentimento”?! Como ouvir isso como se fosse a coisa mais normal do mundo? A revelação não é só patética, é de uma gravidade e uma irresponsabilidade inacreditáveis.

Tudo o que o presidente da República lê e vê e que chega ao conhecimento dele vem de duas fontes: palpiteiros que pululam nos palácios e descompromissados da internet. Ele diz que não foi “uma imposição”, mas o fato é que o dr. Queiroga, médico e ministro da Saúde, determinou a suspensão – em outras palavras, proibiu – a vacinação de adolescentes com base num “sentimento” de Bolsonaro.

Sempre choca, mas não tem nada de novo e os exemplos são variados: o fim da obrigatoriedade das cadeirinhas para crianças, contrariando todas as estatísticas; a perseguição a um fiscal do Ibama que cumpriu seu dever ao multá-lo por pescaria em santuário ecológico – logo ele, então deputado federal!; sua visão sobre a cultura e a educação; a política externa corrosiva; o apoio estratégico a mineradores e madeireiros ilegais que destroem a Amazônia e as reservas indígenas.

Isso deságua na política na pandemia: não fazer nada e bombardear isolamento social, máscaras e vacinas, porque o “sentimento” do presidente era que não passava uma “gripezinha” e tinha de deixar todo mundo pegar e pronto. Quanto aos muitos milhares que morressem (e morreram), paciência! Ele não é coveiro, não é mesmo?

Esses “sentimentos” guardam uma diferença em relação à posição de Bolsonaro diante de outra ferramenta letal: as armas propriamente. A questão das armas não envolve só uma vontade, um ouvi dizer, mas uma estratégia. O pretexto é que “povo armado jamais será escravizado”, mas a suposição é que “minorias armadas submetem a maioria”.

Do editorial de sábado, 18/09, do nosso Estadão (O curandeiro da República): “Como bússola para a definição de políticas públicas, o “sentimento” de Bolsonaro, o curandeiro da República, tem levado o Brasil à ruína sanitária, política, econômica e moral”. Quanto tempo levará para reconstruir tudo isso? Se é que…

Comentários